05 janeiro 2007

Nossa Atual Laodicéia (parte 2)

Vamos analisar uma música muito cantada em algumas igrejas:

É a segunda música do CD TOQUE NO ALTAR, primeiro trabalho do Ministério Apascentar, agora chamado pelo mesmo título deste CD.:

Meu melhor a ti eu darei, pois dono de nada sou
Não importa o amanhã, se o futuro é somente teu


Até aqui tudo bem, mas...Qual sua motivação ao cantar ao Senhor? Pense... Louvá-lo pelo que Ele é? Pela salvação que Ele te deu? Pela sua misericórdia? Veja isto:

Minha motivação é saber que nada me faltará
pois eu sei que o meu Deus, em tudo me suprirá...

O meu coração se enche de gratidão pela tua fidelidade
por saber que as janelas do céu estão abertas
para que minha vida tenha maior provisão
O gafanhoto não tocará em nenhuma porção do que o Senhor preparou
para ser a minha herança

Agora me explica: ONDE essa música está louvando ao Senhor? É uma música para O HOMEM!

Sem falar na interpretação totalmente errônea das Escrituras, observe a última estrofe: O gafanhoto não tocará em nenhuma porção do que o Senhor preparou para ser a minha herança

Tá, mas Rm. 8:17 diz: “E se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo;”
Bom, acho que você já ouviu isso em alguma pregação, e é justamente sobre isto que a música fala: Se somos filhos do Rei, somos príncipes, assim como Jesus, herdando também o tesouro de Jesus, que também é príncipe, deste modo, como diz a música, o gafanhoto (colocado aqui como o demônio) não poderá tocar na herança que tenho como príncipe e filho do rei: Toda a sorte de bênçãos materiais, por que não dizer: Toda a prosperidade que Ele tem a derramar sobre nossa vida... Algo errado? Não, o texto está afirmando isto, não está?
Mano, não sei se você se recorda que lhe disse para “ouvir tudo e reter o que é bom”, que deveria sempre indagar se o que lhe dizem é, na verdade, afirmação Bíblica ou pensamento humano (assim como esta carta), sendo assim, analisemos: A Bíblia realmente afirma que tenho uma herança de prosperidade, direito de príncipe, assim como a música e a teologia atual dizem, ou isso foi um erro de interpretação? Observemos o texto:

“E se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo;” A questão é que a grande falácia das heresias é colocar um texto fora do seu contexto, construindo, assim, um pretexto para criar-se esta heresia. Quer ver? Leia o texto todo:
“E se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com Ele sejamos glorificados. Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada”


Deu pra clarear um pouco as idéias? Olha só: Note bem sobre o que o texto fala: Fala de uma herança, agora observe qual é esta herança... Achou? Isso mesmo: o texto não fala de bênçãos materiais como nossa herança, ou mesmo um reino terreno, mas de aflições!!! Hã? Como? O quê? É, velhinho... O texto diz claramente: o sofrimento que vocês passam hoje,um dia, na glória, vai terminar (observe que a glória será revelada um dia, e se você continuar a leitura, observará que ele fala de vida eterna quando trata da glória, e não uma glória terrena, como querem transmitir os neopentecostais adeptos das teologias da confissão positiva, entre outras).
Então, amigo... A herança do servo é a cruz de Cristo, basta lembrar o que Ele mesmo disse: “ quem quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” Mc.8:34 – Teologia totalmente contrária à transmitida pela atual Laodicéia, visto que nosso exemplo maior mandou que esquecêssemos de nós mesmos e carregássemos a cruz (o que significa sofrimento).
Então, mano... Esse lance de “por onde eu for a tua bênção me seguirá, onde colocar as minhas mãos prosperará...” cantada nos cultos de jovens hoje nas igrejas, não tem respaldo bíblico não, que o diga na Teologia de Cristo e dos apóstolos, pós-graduados em matéria de sofrimento pela Palavra.
Bom, nesse caso, como, e o que cantar?

Nenhum comentário: