08 fevereiro 2007

APOLOGIA À BÍBLIA (Testemunhas de Jeová - Parte II)

DOUTRINAS:

As Testemunhas de Jeová crêem em diversas aberrações doutrinárias que vão de radical encontro aos ensinos da Bíblia, chegando até a ser a única seita pseudocristã a ter sua própria Bíblia, criada pela STV (analisaremos mais profundamente o conteúdo inserido nesta). A fim de estarmos preparados para respondê-los, torna-se necessário conhecermos suas crenças, trazendo refutações bíblicas, permitindo assim a defesa da fé.
Analisaremos aqui as principais doutrinas jeovistas que entram em desacordo com a Palavra do Senhor, mostrando como refutá-las.

Jesus Cristo:

É conhecida a negação dos TJ´s quanto ao fato de Jesus não ser Deus, como crêem os cristãos bíblicos. Nesse tópico trataremos da crença de serem Jesus e o arcanjo Miguel as mesmas pessoas!
Assim como os Adventistas do Sétimo Dia, as TJ´s crêem que Jesus é o mesmo Miguel no nome, na natureza e quanto ao fato de receber ou não adoração. Como veremos mais adiante, as TJ´s constantemente modificam suas doutrinas, não podendo ser diferente no caso do seu estudo em relação à pessoa de Cristo:

Jesus NÃO é Miguel (criam assim até 1879) : “Sua posição é contrastada com a de homens e anjos, como Senhor de ambos, tendo “todo o poder no céu e na terra”. Desde que está escrito, “E todos os anjos de Deus o adorem.”; [isto inclui Miguel, o chefe dos anjos, dado que Miguel não é o Filho de Deus] e a razão é que “herdou mais excelente nome do que eles.”

Jesus É Miguel (crêem assim atualmente) : “... a evidência indica que o Filho de Deus, antes de vir à terra, era conhecido como Miguel, e também é conhecido por esse nome desde que retornou ao céu, onde reside como o glorificado Filho espiritual de Deus (...) O anjo mais importante, tanto em poder como em autoridade, é o Arcanjo Jesus Cristo, também chamado de Miguel.” (1995)
AS DIFERENÇAS ENTRE JESUS E O ARCANJO MIGUEL:
NO NOME:
O nome Miguel significa “Quem é como Deus?”. O nome Jesus significa “Javé é o Salvador”.
Em Is. 43:11 está: “Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há Salvador”. Essa afirmação aplica-se a Javé no Velho Testamento. O Novo Testamento nos aponta a quem pertence a obra de salvar: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens pelo qual devamos ser salvos” (At 4:12). Ainda que sejam duas pessoas distintas (Jo. 8:16-18), o Pai e o Filho são o mesmo Deus salvador. As três pessoas da trindade divina podem ser chamadas de Deus: Pai – I Co. 8:6; Filho – Hb. 1:8; Espírito Santo – At. 5:3-4. Três pessoas, um único Deus. Não podemos confundir as pessoas nem separar a substância. Jesus Cristo é a segunda pessoa da Trindade – é Deus (Jo.1:14) e homem (I Tim. 2:5). O arcanjo Miguel é diferente de Jesus no significado do próprio nome.
NA NATUREZA:
Miguel, apesar de ser chamado “chefe dos anjos”, não deixa de ser criatura, tendo a função de servir aos salvos, defendendo-os das artimanhas do inimigo espiritual e dos terrenos (Hb. 1:14; Sl. 34:7; 91:11). Em I Pe. 3:22 vemos que os anjos estão sob a sujeição de Cristo. Jesus é o criador do próprio Miguel, sendo o criador de todas as coisas, incluindo aqui os anjos – Cl. 1:16.
NA ADORAÇÃO:
Segundo Cl. 2:18, é proibido o culto aos anjos, logo, Miguel não pode ser adorado. Os anjos recusam-se a receber adoração, conhecendo o erro em tal: Ap. 19:10; 22:8-9. Notemos agora que, em relação a Jesus, os anjos agem de maneira diferente: apesar de serem maiores que nós (Hb. 2:6-7), adoram a Cristo sem coação, já que o próprio Deus ordena tal adoração em Hb. 1:6. Se Jesus fosse um anjo, como declara esta heresia, todos os demais anjos seriam idólatras, já que é idolatria um anjo (ou outro ser) adorar outro que não Deus.

A MUTAÇÃO DOUTRINÁRIA DAS TJ`s NESTE CASO:
Durante muitos anos as TJ´s afirmavam que Jesus NÃO era o arcanjo Miguel, apresentavam os textos de Mt. 28:18, afirmando que o poder que Jesus tem, é impossível aos anjos tê-lo, apresentavam também Hb. 1:6, texto já citado acima, sobre a adoração dos anjos a Ele (incluindo Miguel), além de Hb. 1:4, na afirmação de que Jesus recebeu nome acima dos anjos (The Watchtower, nov. 1879, p. 48).
A fim de justificar sua posição na crença do Jesus - anjo, há o seguinte argumento: “O nome de Miguel ocorre apenas cinco vezes na Bíblia. A gloriosa pessoa espiritual que leva esse nome, mencionada como “um dos primeiros príncipes”, ‘o grande príncipe’, ‘o defensor dos filhos do teu povo (o de Daniel)’, e como ‘o arcanjo’ (Dn. 10:13; 12:1; Jd. 9). Miguel significa: ‘Quem é semelhante a Deus?’”(Raciocínios À Base Das Escrituras, STV, 1985, p. 219).
O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE MIGUEL :
As TJ´s se sustentam em cinco referências para creditar o ensino de que, quando refere-se a Miguel, a Bíblia se refere também à pessoa de Jesus:

1. Daniel 10:13: “Mas o príncipe do reino da Pérsia se pôs defronte de mim vinte e um dias, e eis que Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me.”
Quando a Bíblia diz “um dos primeiros príncipes”, chegamos à conclusão que há outros além de Miguel, o mesmo não acontece quando tratando da pessoa de Jesus, em Ap. 19:16, Ele é descrito como “Rei dos reis, Senhor dos senhores”, Cristo é o Rei dos reis, Miguel é apenas um dos príncipes. Em Dt. 10:17, o próprio Deus Javé declara ser Senhor dos senhores.
2. Daniel 10:21: “Mas eu te declararei o que está escrito na escritura da verdade; e ninguém há que se esforce comigo contra aqueles, a não ser Miguel, vosso príncipe”. (em vosso, leia-se povo judeu.).
No texto, Miguel é referido como protetor do povo judeu, em contraponto com Jesus, que em I Jo 2:1 é tido como protetor de todos os povos.
3. Daniel 12:1: “E naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta pelos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele livrar-se-á o teu povo, todo aquele que se achar escrito no livro.”
Na grande tribulação para o povo judeu (Jr. 30:7), depois do arrebatamento da igreja, Miguel estará ao lado do povo judeu, aguardando seu Messias, Jesus Cristo (Ap. 1:7).
4. Judas 9: “Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o Diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra lê; mas disse: O Senhor te repreenda.”
Este texto é talvez o mais complicado para os Tj´s, tendo em vista que, quando analisado, nota-se que, por faltar-lhe autoridade, Miguel não lutou diretamente contra Satanás, note que ele não “ousou pronunciar juízo”, logo, complica-se a explicação dos TJ´s, quando sabemos que Jesus, quando na terra, lutou diversas vezes contra Satanás, em todas vencendo: Mt. 4:1-10; Mt. 16:21-23; Mc. 16:17; At. 19:12,13. Se Jesus enquanto na terra repreendeu satanás diversas vezes e Miguel não ousava repreendê-lo, como poderiam ser a mesma pessoa?
É curioso analisarmos a exegese de I TS. 4:16 feita pelos Tj´s: “Em 1 Tessalonicenses 4:16 a ordem de Jesus Cristo para a ressurreição começar é descrita como a ‘voz de arcanjo’, e Judas 9 diz que o arcanjo é Miguel.”... É, portanto, razoável que o arcanjo Miguel seja Jesus Cristo.”(Raciocínio À Base Das Escrituras, STV, 1985, pg. 219). Se lermos o texto, concluiremos também que Jesus não só vem com voz de arcanjo, “mas com a trombeta de Deus”. Se o fato de Jesus vir com ‘voz de arcanjo’ o torna o arcanjo Miguel, o fato também dele vir com ‘trombeta de Deus’, obviamente O COLOCA COMO DEUS.
O Jesus jeovista passou por três fases: antes de vir à terra, no céu, chamava-se Miguel; vindo à terra, tornou-se homem, somente homem, perfeito como Adão antes da queda, ao subir ao céu, o Jesus de Nazaré homem deixou de existir e tornou a ser o arcanjo Miguel, logo, o Jesus jeovista é mutável na sua natureza: anjo, homem, anjo.

Um comentário:

Pascoal Naib disse...

Para saber sobre a discriminação que as Testemunhas de Jeová fazem com ex adeptos e os fundamentalismos que levam pessoas a morrer e não receber transfusão de sangue acessem:

http://extestemunhasdejeova.net/forum/portal.php

http://extestemunhasdejeova.blogspot.com/